Cidades


Notícias



Colunistas


Notícias

Ufba faz cartão optativo para combater violência

"O problema é sério e antigo. Não tem mais para onde correr. A falta de segurança nos campus da Universidade Federal da Bahia (UFBa) ganhou dimensões inaceitáveis. A situação, realmente, é muito critica e a falta de controle se estende até o Buzufba, que trafega, diariamente, levando mais moradores das cercanias, do que funcionários e estudantes”.

Este relato, simples e objetivo, é do estudante de Biologia, Cristian Góes que considera a iniciativa de implantação do cartão UFBACard como mais uma medida positiva, em prol do fortalecimento da segurança da comunidade do campus. “Aqui, em Ondina, por exemplo, os assaltos ocorrem, diariamente, tanto de manhã bem cedo quanto no entardecer. Daí, ser bem-vinda esta ação do reitor João Carlos Salles.”, declara o estudante. 

Aluna de Dança, oriunda de São Paulo, Adriane Rocha acredita que o cartão UFBACard vem para ajudar no controle interno dos campus. Mas, gostaria que houvesse uma maior presença de agentes de segurança, circulando por locais onde, normalmente, estão ocorrendo os crimes. “Esta segurança presencial poderia ser mais ostensiva. Por outro lado, existe o risco do cartão UFBACard  vir a ser fraudado, futuramente, por criminosos”, desconfia. 

Estudante de Engenharia Química, Bianca Gomes diz não acreditar tanto no sucesso do cartão. “A UFBa tem campus extensos, assim como esse aqui de Ondina, que ainda é cercado por uma mata fechada que favorece a entrada de gente estranha ao meio acadêmico. Talvez, esta questão da segurança não fique restrita apenas a universidade e se estenda por toda cidade de Salvador”, argumenta. 

Cartão

A partir desta quinta-feira 6, o cartão UFBACard começa a ser implantado. Considerado instrumento de modernização da gestão da universidade, “o documento permitirá a identificação uniforme dos membros da comunidade acadêmica e visa proporcionar uma melhor segurança para todos”, observa o reitor João Carlos Salles. Todos os membros da comunidade acadêmica, estudantes, professores e servidores técnico-administrativos, poderão solicitar o cartão pelo portal www.ufbacard.ufba.br.  

“Os cartões serão entregues, preferencialmente, na unidade a que a pessoa está vinculada. E, partir do próximo ano também poderão obter o UFBACard, aposentados, profissionais e estudantes com vínculo temporário”, relata o reitor. O cartão de identificação é uma nova e importante parte do sistema integrado de segurança da universidade, junto com os sistemas de alarme de incêndio, circuitos de câmeras e TV e sistema de monitoramento de veículos. 

A implantação do cartão para esses serviços será feita por etapas. Fora da universidade, o cartão poderá ser usado como instrumento de identificação, pois o seu sistema permite que instituições externas possam verificar se a carteira apresentada é válida e foi, de fato, emitida pela UFBA.  

Facultativa

Com um chip eletrônico embutido, foto, nome e outras informações essenciais para identificação do usuário, os dados codificados do cartão estarão armazenados de forma totalmente segura, criptografada por um protocolo de segurança mundialmente utilizado por sites de instituições financeiras e de compras pela Internet, o chamado Secure Sockets Layer (SSL). E importante: todos os dados pessoais e acadêmicos dos portadores ficarão armazenados somente nos sistemas da universidade.

A solicitação do cartão é facultativa, mas o objetivo da administração é que o interesse por seu uso cresça e que ele se mostre sempre mais necessário, até em razão da agilidade de acesso a algumas facilidades e serviços que propiciará, como o empréstimo de livros nas bibliotecas e a utilização dos restaurantes universitários, onde vai dispensar a necessidade de assinatura de cada estudante que existe hoje, evitando, assim, as filas. Com o cartão também será possível o monitoramento do acesso ao Buzufba.  

Método

O investimento da UFBa em vigilância e monitoramento; iluminação e zeladoria são notórios. “Queremos criar segurança por um método que costumo dizer que é o mais difícil, porque se baseia na ideia de que não há suspeitos ou penetras, não propõe fechar seu espaço com muros, não se pauta pelas visões de segurança do condomínio ou da cidade”, diz o reitor João Carlos Salles.  

E ressalta: ”A UFBA não é e não pode ser pensada como um condomínio fechado em si mesmo, onde um grupo de pessoas consideradas iguais se isola e passa a vigiar, identificar e filtrar penetras.  Tampouco pode ser entendida, para construir sua segurança, como uma cidade, onde não há fronteiras nem sentidos definidos para cada espaço, e as pessoas costumam ser tratadas previamente como suspeitos por sua aparência física, cor da pele ou determinados comportamentos”.  

O professor deixa bem claro o que pensa a respeito da segurança, no espaço onde é o principal gestor: “A UFBa não é nem cidade, nem condomínio. É antes uma comunidade, de cerca de 50 mil pessoas, múltipla e diversa por definição, cujo traço em comum deve ser somente a natureza das atividades – de gestão, ensino, pesquisa e extensão universitária – que cada grupo ou indivíduo desenvolve no espaço acadêmico”. 

Investimentos

Além do UFBACard - em fase de implantação – o reitor lembra que estão em vigor os adesivos de identificação de veículos; o programa de iluminação e de poda de árvores e limpeza das áreas comuns. A UFBA investe, atualmente, cerca de R$ 20 milhões por ano – aproximadamente 10% de seu orçamento de custeio – em um contrato de vigilância. E, ao contrário do que muitos acreditam, tal contrato prevê sim, além da segurança dos prédios e bens materiais, a proteção à integridade das pessoas.  

Atuam nas áreas da UFBA 409 agentes, além de 387 porteiros e 150 recepcionistas, ou seja, aproximadamente mil pessoas, que, em conjunto, ocupam o território do campus para deixá-lo mais seguro. Há uma rede de 596 câmeras de videomonitoramento, isto é, em média, uma câmera a cada 568 metros quadrados de área construída, que tem ajudado a inibir crimes e a identificar rapidamente quem, infelizmente, os comete dentro de um campus. 

No entorno dos campi, uma parceria com a Secretaria de Segurança Pública garante rondas policiais. E essas devem se intensificar, sobretudo nos pontos já identificados como de maior risco. Entretanto, parte essencial da política de segurança da UFBA consiste em ações voltadas à sua ocupação permanente pela comunidade universitária e pelas comunidades da cidade. 


Categorias

Bahia Brasil Curiosidades Educação Polícia

Enquete


PodCast