Cidades


Notícias



Colunistas


Notícias

Aos 82 anos, morre Iraci Lordelo, voluntária mais antiga das Obras Sociais Irmã Dulce

No lugar que foi sua morada e acolhida nas últimas décadas, os olhos verdes de Iraci Lordelo se fecharam na manhã desta sexta-feira (1º). Voluntária mais antiga das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), faleceu às 4h em função de complicações de um câncer que lhe acometeu nos últimos 2 meses nas Osid.

Dona de uma voz mansa e firme, ela foi fiel escudeira da freira conhecida como o Anjo Bom da Bahia por ter erguido  – apenas com doações – a maior rede de atendimento totalmente pública do Brasil em atividade.O corpo de Iraci será velado a partir das 10h na sede do Santuário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, no Largo de Roma. Às 12h, será celebrada uma missa de corpo presente. Em seguida, o corpo será levado para a capela 6 no Cemitério Campo Santo onde ficará até às 16h quando será enterrado. 

Iraci trabalhou como voluntária nas Osid por décadas, diariamente, sem ganhar nenhum centavo. Seu apoio e acolhimento eram marcas registradas. Após a morte de Irmã Dulce, com quem ela conviveu nos primeiros momentos de construção das Osid, ela continuou seu voluntariado.  Em função da morte da voluntária, o lançamento do aplicativo das Osid, que aconteceria hoje, foi cancelado. 

Iraci era o símbolo da obra de Irmã Dulce 
Em 2011, para produzir uma série de reportagens sobre Irmã Dulce por conta de sua beatificação, convivi bastante com dona Iraci. Sua sabedoria, calma e sensibilidade saltavam aos olhos de quem passava pelas Osid. 

Meu primeiro contato com ela foi quando eu ainda estava na faculdade. Fui pego pelo braço - literalmente - na primeira visita às Osid. Acompanhado por colegas de faculdade,fui abordado por dona Iraci. ‘E aí jovem, tudo bem? Você nunca veio aqui, né? Mas a gente precisa tanto de ajuda. Venha mais!'.

O momento marcante foi o primeiro passo do que se tornou uma convivência intensa de quase seis anos nas Osid. O empurrãozinho de dona Iraci me aproximou das ações sociais do Anjo Bom da Bahia. Um dos resultados foi livro Irmã Dulce: Os Milagres Pela Fé (99 páginas), que foi lançado na versão digital pelo selo Correio Cultura em 2014.

Ao longo desses anos, o abraço acolhedor de dona Iraci foi reconfortante. Sempre que chegava nas Osid fazia questão de abraçá-la. Ela, que sempre andava corrida de um lado para outro, fazia questão de perguntar se eu tinha comido, se estava tudo bem, como estava minha família e me mandava sorrir. 

No nosso último encontro, pouco antes dela descobrir o diagnóstico, ela brincou: "No dia que eu morrer não venha no meu enterro. Você é muito feliz para ficar chorando em enterro. Estarei bem ao lado de Irmã Dulce". Essa era dona Iraci. Sempre abria mão pelo bem do outro. Sempre tinha acolhimento na voz, no corpo e no coração. 

Siga em paz, dona Iraci. Que seus olhos sempre brilhem nos corações. Correio da Bahia


Categorias

Bahia Curiosidades Mulher

Enquete


PodCast