‘Tarză’ brasileiro é monitorado há 22 anos na Amazônia pela Funai